25.4.09

De Gran Torino, na avenida a rodar com Clint Eastwood



só é insuportável a dor da existência
para quem é incapaz de libertar-se,
insuportável aos que juram amor ao próprio umbigo
e em tudo procuram aconchego para as nádegas.

assim me disse, entre dentes, Clint Eastwood

o fardo que um homem carrega,
seu amontoado de dores
colecinadas ao longo de uma pobre existência,
sua inglória fortuna de ódio e rancor
amealhada com estupidez e paciência,
dói mais aos incapazes de admitir os próprios erros.

assim me disse, rosnando como um velho rabugento, Clint Eastwood

porém o que mais dói, o que nos faz
durante a noite ranger os dentes,
o que nos deixa a chorar de raiva,
de maxilar trincado às três da manhã
numa cama vazia
a esperar o cinza do céu trazer chuva


(assim me disse Clint Eastwood)

é mesmo ver que a morte é uma escolha sensata,
muito melhor do que viver em meio às baratas,
muito melhor que suportar a estupidez dos filhos...
a morte é um dos caminhos para a redenção
já não é novidade como exemplo
porém sempre nos toca a dor
do homem bom que vê seu sangue
como forma de curar-se e dar aos outros
esta tão preciosa e banal

vida.

mas quem de nós, pergunta Clint Eastwood,
quem de nós é capaz de merecê-la?

3 De lírio(s):

Anonymous Anônimo ...

Olá
Bom, mas........
Vc pode oferecer mais??

15 junho, 2010 09:47  
Anonymous Anônimo ...

meu email...
dfbar@hotmail.com

15 junho, 2010 09:48  
Anonymous Anônimo ...

gosto!

16 outubro, 2011 17:13  

Postar um comentário (Comentar)

<< Início